semente-logo-preta-horizontal.png

Minha primeira ferramenta: Tupia

Talvez a máquina mais polivalente que você vai ter na sua oficina. Saiba tudo sobre a tupia, seus tipos, funções e modos de uso.



Atenção! Esse post não é um guia de compra ou comparativo de marcas, mas sim um detalhamento sobre a tupia de um modo geral. Assim você pode entender como ela funciona, quais são seus tipos, o que são as fresas e como é o seu uso.


O termo tupia vem do termo francês toupie - pião. É uma máquina de corte em madeira a partir de uma ponta de corte, ou fresa, onde antes a ferramenta mais próxima que se usava era a tupia manual (Figura 02), usada para suavizar cortes em rebaixo, ajustar altura de depressões nas peças.


image tupia manual


Hoje a tupia elétrica é uma das máquinas mais versáteis da marcenaria, permitindo ao usuário realizar cortes em arrasto de diferentes perfis, cortes copiados através de gabaritos, rebaixos, goivetes, entalhes, acabamentos de borda, refilamento de laminado, furos entre outras funções. Toda essa diversidade é permitida pela infinita variedade de tipos de fresa que podem ser acopladas na máquina..


Fresas


As fresas são as ferramentas de corte que utilizamos na tupia, o equivalente as brocas da furadeira, mas diferente destas, as fresas em sua maioria são usadas para corte em arrasto no plano horizontal. Abaixo (Figura 03) pode-se notar como o perfil da fresa e o corte feito por ela são equivalentes. Independente do formato as fresas irão variar o tamanho da haste de fixação na máquina, sendo as mais comuns: 6mm ou 1/4", 8mm, 10mm, 12mm ou 1/2". Isso vai variar de acordo com a capacidade da máquina que estará sendo usada.



Apesar da diversidade de formas que podem ser produzidas podemos dividir as fresas basicamente por dois tipos: fresas de corte e fresas com rolamento. As fresas que chamamos de corte são fresas simples que quando em alta rotação fazem o corte por onde passam na madeira. Já as fresas com rolamento são utilizadas para produzir cópias ou fazer acabamentos em bordas, ou seja, o rolamento quando em contato com alguma superfície impede que a máquina siga cortando, seguindo apenas por onde o rolamento consegue correr, por exemplo: pelo perímetro da peça ou seguindo um gabarito posicionado. Abaixo exemplificamos melhor:



Alguns exemplos de fresas com rolamento mais comuns são as fresas usadas para acabamentos em borda arredondada ou em chanfro. Utilizando a tupia para essa função o perfil é produzido de forma homogênea, diferente se fosse feito com lixadeira, plaina reta ou outra ferramenta.


Outras fresas bem comuns de serem utilizadas em confecção de tábuas de corte para alimentos são fresas de corte, tanto com perfil arredondado quanto com perfil em ponta.


As fresas copiadoras podem ter rolamento tanto na parte de cima quanto na parte de baixo ou até mesmo nas duas, dependendo do uso que será necessário. Por exemplo, para o refilamento, ou seja, a retirada do excesso de um laminado que foi colado ideal e ter o rolamento na parte de baixo. Já para fazer a cópia de um peça através de um gabarito o rolamento da parte de cima muitas vezes é melhor.



A coleção de fresas de cada oficina vai aumentando sempre com o uso em diferentes projetos que irão requerer diferentes soluções. Vale sempre a pena pesquisas antes de se iniciar um projeto, mas para começar pode-se utilizar o kit de 12 fresas padrões do mercado brasileiro.



Tipos de Tupia

Como já foi visto a tupia consegue fazer inúmeras funções e algumas vezes isso pode ser um limitante dependendo da máquina que está sendo usada. Algumas variáveis como potência, velocidade de rotação, tamanho, podem influenciar no seu trabalho, e para isso existem dois tipos básicos de tupias no mercado. Aqui dividimos em Tupias de base fixa e Tupias de imersão.


Tupia de base fixa.

Tupias de base fixa, onde estão incluídas as chamadas tupias laminadoras, são tupias que tem por limitação justamente não poder mudar a altura de corte durante o manuseio da ferramenta, ou seja, a fresa é regulada em determinada altura antes de se ligar a maquina e durante o corte essa altura permanecerá fixa, Assim poderão serem realizadas várias aumentando sucessivamente a altura até se chegar na profundidade desejada.


Tupia Laminadora em dois modelos, um mais básico e um profissional


Tupia com base fixa e pegas laterais



Tupia com base fixa e pega em D.



Tupia de imersão



Já a tupia e imersão, grupo no qual incluímos a Tupia de coluna, possibilita a regulagem de altura durante a usinagem. Nesse tipo de máquina regula-se um profundidade máxima de corte e o usuário consegue manipular a altura da máquina de acordo como ache necessário. Outra vantagem desse tipo de tupia é poder começar o corte ou rebaixo no meio da peça a ser manipulada, ou seja, não se faz necessário ligar a máquina e começar a usinar a peça pelo lado de fora, como é feito na tupia de base fixa.


Independente do tipo de tupia vão existir diferentes potências, máquinas com regulagem de velocidade ou com velocidade fixa, diferentes pegas, capacidade de hastes mais grossas, etc.



à esquerda um detalhe da regulagem de altura durante o corte, já à direita um detalhe da regulagem da guia paralela da tupia.


Tupia de bancada:


A tupia de bancada funciona da mesma forma que a tupia de base fixa, porém ela está fixada em uma bancada e virada de cabeça para baixo. Funciona muito bem para trabalhar peças de grande porte que requerem maior potência ou peças seriadas que requerem trabalho contínuo. Pode-se usinar peças menores onde existiria certa dificuldade para se passar a tupia manual. Nessa máquina a peça que se movimenta ao contrário das peças manuais.


Modos de uso


A tupia é uma das máquinas mais perigosas da marcenaria, portanto deve-se ter bastante atenção com o uso de forma correta e segura para se evitar acidentes.

- Para iniciar deve-se estar sempre usando equipamento de Proteção individual como: óculos, protetor auricular, máscara e avental.


- Ao colocar e regular as fresas mantenha a máquina fora da tomada e tenha certeza que a pinça da máquina tem o mesmo diâmetro da fresa.


- Utilize sempre as duas mãos na máquina e mantenha a peça presa sobre a bancada de trabalho.


- Cada máquina tem o local correto para o posicionamento das mãos, normalmente nos lugares emborrachados, mas procure saber através do manual ou do fabricante.


- Nunca ligue a máquina com a fresa encostada na peça a ser cortada, ela deve entrar em velocidade para realizar o corte na madeira de forma correta.


- Fique atento a cheiro de queimado ou fumaça, isso pode indicar que o uso da máquina está sendo forçado, nesse caso, tente cortar menos material a cada passada.

Sentido de corte


Como uma máquina de corte em pino é muito importante que se saiba a direção que a máquina deve correr. As fresas tem a faca posicionada para o corte em apenas uma direção, se a máquina estiver correndo no sentido contrário pode-se danificar a peça, ou até mesmo ser causado um acidente. Toda máquina indica em sua base o sentido de giro que o motor faz. O movimento de corte deve ser feito de modo com que o sentido do giro faça com que a faca da fresa bata de frente com a madeira e não com a parte de trás da faca. A imagem abaixo explica melhor.